Arquivo da categoria: Sociedade

Reflexões sobre sociedade

É pregar no deserto!

Mas eu vou continuar entendendo que a civilização precisa se construir de forma solidária.

Não é aceitável qualquer discriminação. Quem discrimina o outro é alguém que se pensa melhor que o outro.
Ninguém é melhor que ninguém. Os valores com os quais nos querem discriminar são ilusórios. Somos diferentes em aparência,  origem, habilidades, propriedades, mas em humanidade não. Temos o mesmo potencial. Se duas pessoas naturalmente diferentes, como somos todos nós, tiverem as mesmas oportunidades e os mesmos cuidados, elas alcançarão resultados muito semelhantes. Portanto, o que temos é tratamento desigual, por isso temos uma sociedade desigual.

A desigualdade não é uma condição natural das sociedades humanas, como querem fazer crer alguns adeptos da seleção natural. Em especial, quando equivocadamente a aplicam ao social. Eles dizem que os mais aptos chegarão primeiro. Ora, mesmo a biologia com a genética já demonstrou que, em condições iguais, tanto os vegetais quanto os animais crescem e se desenvolvem, com grande similaridade.

Os grandes latifúndios com a agricultura e a pecuária intensiva e a genética dos transgênicos já provaram isso. Entretanto, alguns que adoram o poder pelo poder, usam esse discurso às avessas pra enganar os explorados. Dizem: “na natureza vencem os melhores”. Sim. Mas, melhores aquinhoados, os que melhor são alimentados e cuidados.

Hoje temos tecnologia e conhecimento acumulado e por isso alteramos a natureza em nosso favor. Temos também conhecimento social suficiente pra entender e escolher o tipo de desenvolvimento que queremos.

Quem promove a alteração da natureza é a sociedade humana. Ela , (todos nós) de uma forma ou de outra, contribuiu para ser a sociedade de hoje, com seus avanços e os seus retrocessos. No entanto, ao desenvolvimento tecnológico, não acompanhou o desenvolvimento moral. Porquê? Por que não foram feitas as escolhas certas.

Sabemos que podemos fazer com que todos tenham ótimas condições de vida. Podemos intervir para que todos tenham educação, saúde, qualidade de vida, sem exploração do outro. Mas isso só é possível com intervenção social. Não com intervenção genética, ainda. Nem com intervenção militar. Isso já foi tentado. É coisa de quem não quer cuidar do outro. Intervenção genética se faz em plantas e animais pra alimentar o gênero humano. É fundamental que tenhamos programas sociais. Essa intervenção social é tarefa do Estado através dos governos que, em nossas sociedades humanas, deve promover. O mercado não a faz. E o mercado não é autônomo, não é livre, ele é e sempre foi regulado, controlado. O mercado não funciona para todos. O mercado só pensa em lucro. Quem mais tem capital, mais lucra. O mercado hoje é o mercado de capitais.

Ou seja, a tendência desse modelo de desenvolvimento baseado no consumo e no lucro desigual é continuar mais desigual ainda. Os pobres mais pobres e os ricos mais ricos.

Os ricos controlam o mercado e são humanos gananciosos que querem cada vez mais lucro. Eles estão em menor número, mas conseguem enganar a maioria controlando a mídia. Assim eles controlam você. Você vai agir conforme você pensa, e eles, sabendo disso, irão influenciar, controlar o seu pensamento. Como? Com idéias, falsas e verdadeiras todos os dias. Ora te esclarece, ora te confunde.

Você não tem tempo para pensar por si mesmo. Nem para criticar (separar) o que te apresentam. Você tem que trabalhar. Então vai acreditar naquilo que lhe chega mais fácil, pela grande mídia, cultura de massa, que é cada vez mais hegemônica. Naquilo que foi veiculado com ares de credibilidade. Ocorre que a credibilidade da mídia, da informação que é veiculada por ela é feita e controlada por eles. E você supõe escolher, pensa que está escolhendo por si mesmo.

Eles podem investir em pesquisa e desenvolvimento e dizer que é pra você, para a sociedade. Mas, quem usufrui de algo bom, melhor, com mais qualidade são eles. Os controladores do pensamento coletivo, da mídia e do grande capital. Sempre eles.

Se queremos alcançar um perfil civilizatório para todos, devemos  questionar mais, parar de nos enganar e pensar por nós mesmos.

Se nasceu humano, o Ser deve ser tratado com o mesmo respeito e cuidado uns pelos outros. E se uma sociedade melhora, as outras também precisam melhorar. Se por outro lado, algumas pessoas acumulam, temos que encontrar as causas reais dessa acumulação. Temos que encontrar mecanismos para evitar que alguns acumulem tanto. E também para estimular a distribuição, a solidariedade. Para fazer com que estes que acumulam tanto percebam que isso é injusto e distribuam com satisfação o que estão acumulando excessivamente. Isso vale também para as nações.

Para alguns serem privilegiados, outros estão morrendo à míngua. E essa desigualdade vem sendo sustentada por cada um de nós. Quanto mais o tempo passa mais a desigualdade se acentua. E alguns ainda dizem que é porque muitos são preguiçosos e os trabalhadores de verdade são poucos. Dizem isso com outras palavras, chamam a isso meritocracia. Papo furado, conversa pra enganar trouxa.

Meritocracia é uma palavra que foi feita pra enganar você e a maioria dos seres humanos que vivem no mundo capitalista. E tem funcionado a favor dos que inventaram a ideia. Ou seja , é uma ideologia, um conceito ideológico que funciona muito bem nas relações competitivas. No capitalismo, as relações de mercado, só podem existir se tiver competição. Isso implica em premiar um em prejuízo do outro.

Se você cooperar com alguém em vez de competir com esse alguém, você estará fazendo algo para reduzir a desigualdade. Se você buscar uma remuneração justa pelo seu trabalho você estará contribuindo para uma sociedade menos desigual. Da mesma forma, se você for solidário e cuidar do mais fraco; Se você esclarecer o outro para que, esclarecido, ele tenha mais oportunidades; Se você buscar resultados justos em vez de querer levar vantagem sobre o outro. Se você falar a verdade em vez de mentir.

Os ideólogos do capitalismo selvagem não pensam de forma solidária. Não importam com a morte do outro, desde que tenham lucro, desde que tenham vantagem pessoal. Mentir é só um detalhe nas regras do jogo selvagem onde o mais forte vence o mais fraco. É a lei nesta selva de pedra. E você concorda, se submete, acredita e defende isso como verdade.

Eu não votei e não voto na direita, por isso. Eu não votei no Bolsonaro e jamais votarei em alguém de extrema direita, por isso. Porque eu, como você, sou humano e preciso de, cada vez mais, humanidade para mim e para os meus iguais. Venham eles de onde vier: da floresta, do quilombo, da periferia, das múltiplas classes sociais, das diversas religiões, regiões, nações, planetas, galáxias, universos.
Wilson Geraldo de Oliveira

FENÔMENO OVNI – DINÂMICA SOCIAL

Autor: Wilson Geraldo de Oliveira(1)

Natureza e procedência

Qualquer proposição para o estudo do fenômeno OVNI (Objetos Voadores Não Identificados) envolve as variáveis natureza e procedência. Supomos importante, em primeiro lugar, um conhecimento de sua natureza. Não podemos perguntar de onde vem “algo”, sem antes sabermos alguma coisa sobre a natureza desse “algo”, ou seja, ao observarmos alguma coisa desconhecida, primeiro perguntamos: – “O que é isso?” ou – “O que é aquilo?” Para respondermos qualquer destas perguntas, é necessário que falemos da natureza daquilo sobre o qual perguntamos . Respostas sobre a procedência do fenômeno observado, no estágio atual, não nos darão conhecimento da sua natureza. O contrário no entanto pode ser plausível. Em muitos casos, quando o objeto pode ser identificado, partiu-se de sua natureza, para em seguida considerar sua procedência, normalmente, terrestre. Então, respostas sobre a natureza das coisas, talvez possa sugerir um melhor direcionamento para o estudo dos vários fenômenos da categoria OVNIs no sentido de sua identificação, bem como revelar a sua procedência. Continue lendo FENÔMENO OVNI – DINÂMICA SOCIAL

Futebol, política, diversão e arte!

Não se trata de insanidade do brasileiro tal como se refere a mensagem nas redes sociais,  mas me parece também um equívoco,  transferir responsabilidades por um tal fracasso do pais para o futebol ou para pessoas do meio.  A situação de fracasso de um país, não pode ser tão simplista assim. Mais do que culpar é preciso no entanto perceber, que existem relações de causalidades envolvidas, sejam quais forem as dimensões desse fracasso. Instituições, ideologias, paixões, opções políticas e economicas afetam muito fortemente muitas nações que se colocam diante de eventos de âmbito internacional. Continue lendo Futebol, política, diversão e arte!